Perguntas de Uma Geração Perdida

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Postado por:Maria Raquel Silva

Nossa geração está perdida. Não pelo grande número de gays assumidos que circulam pelas ruas de mãos dadas. Não por nossas mulheres se vestirem como "vadias".
As gerações antes de nós tiveram uma ditadura e suas poupanças roubadas.
Estamos perdidos em um labirinto de ideias e informações.
Nós não temos pelo que lutar.

E aí temos uma manifestação pacífica que acabou não sendo tão pacífica assim.
E outra manifestação que foi pacífica mas que o despreparo por parte das autoridades acabou por torná-la muito menos pacífica que a primeira.
A desculpa usada para as manifestações chega a ser até ridícula. Mas desculpas não são todas ridículas?
"Não é isso que você está pensando", "to chegando", "só mais um episódio".

Agora a causa. Aí é que pega. Qual é realmente a causa?
A corrupção? Mas essa não deveria ser combatida nas urnas?
A violência? Por parte de quem?

Existem muitas perguntas sem respostas.
E com essas perguntas, outras perguntas mais.
Qual a solução para todas as revindicações? Soluções concretas existem?
Quem está por trás de tudo isso?
É alguém que vai mudar algo mesmo? Ou iremos reencenar A Revolução dos Bichos mais uma vez?
(Porque 1917 não foi suficiente.)

Estamos procurando uma causa pela qual lutar.
Mas será que estamos escolhendo a certa?
Será que é realmente necessário lutar por algo?

Então ocorre um grande ato de repressão. E os espíritos são reacesos. Jovens se sentem dentro do romance de Vítor Hugo. Aí está sua causa! Aí está pelo que lutar!

Mas será mesmo? Será que estamos vendo isso do ângulo certo?
Será que não estamos olhando perto demais? Talvez seja necessário um olhar mais amplo. Erguer a cabeça um pouco para ver o que está lá em cima.
Acima das balas de borracha e do gás lacrimogêneo.
Sei que é difícil, sei que é dolorido. Sei que não fomos ensinados a isso.
Erguer a cabeça. Fomos sempre ensinados a dizer "sim, mamãe", "sim, professora".
Será que essa é uma luta do povo mesmo?

E se for ganha (utopia, mas não custa nada pintar o cenário na imaginação), o que é que acontece?
Bom, sabemos como terminaram as lutas dos livros.
E espero que não tomemos o mesmo rumo. Não quero nem virar porca, muito menos acabar morta.

 

Doces Comentários Ácidos
Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos e bTemplates
Imagens em: Foter
Logotipo original por M.R. Silva e FreeLogoServices