Saudade

domingo, 31 de março de 2013

Postado por:Maria Raquel Silva

Dizem que saudade é a sétima palavra mais difícil de se traduzir de todas as línguas do mundo. Dizem também que o alemão tem uma expressão equivalente, mas dizem que não é bem equivalente.
Dizem que saudade é um sentimento português. E que só o povo português consegue entendê-lo por completo.
A saudade portuguesa é algo triste, melancólico.
Algo que não se encaixa muito em nossa terra tropical.

O povo brasileiro parece ter sua própria saudade. Algo diferente do "sentir falta", algo diferente da nostalgia, e algo também diferente da saudade portuguesa, que faz lembrar tanto o mar gelado para eles e os tempos de glória de um império que quase dominou o mundo todo.

Nossa saudade parece diferente. A gente usa a palavra a torto e a direito, mas é um sentimento complicado de explicar. Saudade é saudade.
Neruda dizia que "Saudade é amar um passado que ainda não passou, é recusar um presente que nos machuca, é não ver o futuro que nos convida...". Só que não é isso. Creio que ele estava um pouco equivocado. Mas, afinal, o que Neruda sabia sobre saudade? Era chileno...

Definir saudade é impossível. Para chilenos, para alemães. Mesmo para brasileiros e portugueses.
Porque saudade a gente sente e não fala.
Saudade é sentimento e não palavra.

É querer algo de volta, sabendo que nunca mais terá. Saber que a situação ficou no passado, mas querer revisitá-la. Nem que seja por um pequeno instante.
Saudade é ilusão de que o que se foi pode ser de novo. Ilusão porque sabemos que não pode. Que não volta.

Saudade anda de mãos dadas com o tempo. Como ele, ela vêm e vai embora.
E deixa na gente uma tristeza gostosa. Uma tristeza alegre.
Tristeza que, mesmo sabendo que aquilo não voltará, vivemos bem. Vivemos felizes.
Nem que seja naquele pequeno momento de saudade.

 

Doces Comentários Ácidos
Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos e bTemplates
Imagens em: Foter
Logotipo original por M.R. Silva e FreeLogoServices